desabafosbipolares@hotmail.com

24 de abril de 2017

Vida de aposentada bipolar

Por do Sol em Brasília
Bem faz apenas 1 mês e 21 dias que aposentei, ainda não me sinto aposentada, nem com tédio, nem com saudades do trabalho, se é que um dia sentirei. Sinto-me de férias.
  No primeiro mês quis abraçar o mundo com as pernas. Tanto tempo me segurando para conseguir trabalhar, sendo “alegre”, suportando as dores da fibromialgia sem reclamar e me entupindo de analgésicos e antiflamatório para dar conta do recado. Mas não soube lidar. Me entreguei, sofri com as dores, fiz repouso, tive medo do futuro achando que ficaria assim, quase de cama para sempre.
  Acordei cedo todos os dias, queria arrumar a casa, armários, guarda-roupa... Comecei foi piorar, ficava me cobrando fazer as coisas e ter rotina. Porque todos falaram que era importante. Deprimi, as dores voltaram com tudo. Aí pensei. Pela primeira vez desde os 19 anos de idade que  vou poder respeitar meu corpo, fazer só o que eu conseguir e quiser. A casa existe para me servir e não o contrário. Não tenho marido para me cobrar e tenho um filho que vale ouro e me entende e respeita.
  Relaxei. Arrumo casa no dia que acordo sem dor. Só pela manhã, a tarde me reuso. Mas se tenho algum programa deixo a arrumação para amanhã. Estou com dores? Deito, assisto filme, faço comida fácil de fazer ou saio ou durmo ou vou caçar Pokémon (hehe). Gente, ficar sem trabalhar também é uma arte.
  Passado este um mês de aposentada, comecei a melhorar. Mas ainda estou aprendendo.
  Eu me dei até julho para deixar meu corpo se curar, ou pelo menos melhorar. Comecei a sair mais, ver o por do sol de Brasília que é linnnndoooo!!!! Desencanar com este negócio de ter que deixar a casa arrumada. Porque sempre tive isto, Domingo tenho que deixar tudo arrumado porque na segunda começa tudo de novo. Mas para mim agora todo dia é sábado.
  Queria entrar na academia, resolver isto e aquilo. Calma sua bipolar, sem pressa. Vou FAZER NADA até julho. Dar este tempo para meu corpo e mente que sempre quis e nunca pude. Em agosto paro, faço um introspecção, analiso a minha vida, crio uma rotina levando em conta minhas limitações, fibromialgia, bipolaridade. Estou ótima, nunca estive melhor. Tenho certeza que vou melhorar ainda mais.
  Olho para trás e vejo o quanto fui guerreira, quantos dias fui me arrastando trabalhar, mancando, chorando ou agressiva querendo matar um...  Sério, nós bipolares somos fodas. Vencemos batalhas diárias, temos dias péssimos, mas conseguimos ter dias bons apesar de tudo. Períodos bons, normais, produtivos. Somos MARAVILHOSOS!!!!
  Introspecção, introspecção. Um dia de cada vez, vivendo sempre o agora. Vai dar tudo certo.

Netflix me aguarde, vou te usar e muuuuito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário